Vídeos| Em protesto, moradores do Alvorada dizem Não! aos novos medidores da Amazonas Energia


MANAUS| O clima esquentou e ficou tenso na manhã desta terça-feira (12/07), um protesto que posteriormente virou uma confusão generalizada, realizada por moradores do bairro Alvorada II, onde impediram a entrada de funcionários da concessionária Amazonas Energia nas ruas do bairro; por conta da instalação nos postes dos novos medidores de energia, os chamados (SMC)- medidores inteligentes.


As informações são que manifestantes colocaram fogo entre as ruas 15 e 17 para bloquear a passagem dos carros da concessionária, onde apenas os moradores da área podiam transitar pelas avenidas bloqueadas.


Vídeos enviados para nossa equipe, mostram a discussão entre moradores e os funcionários, uma fumaça negra espalhando pelos ares e uma faixa espalhada em cima de um veículo com a frase: 'Não aos medidores da Amazonas Energia'!


Após a confusão, um grupo de moradores e os funcionários da concessionária foram registrar um Boletim de Ocorrência (B.O) em uma delegacia do bairro, onde entraram em acordo entre si, para apenas fazer a troca da fiação antiga dos postes do bairro.


Nota:

Por meio de nota, a Amazonas Energia informou que não procede a informação de que os novos aparelhos estão sendo instalados em postes do bairro. De acordo com a concessionária, “as pessoas não querem mais deixar a empresa fazer as manutenções de rotina, serviços estes que ocorrem diariamente, como troca de postes, cabos, transformadores”.


No dia 6 de junho, moradores da rua 8, no bairro Alvorada, também fizeram uma manifestação na tentativa de impedir os funcionários de se aproximarem dos postes de energia. A concessionária explicou que “a instalação da medição inteligente está suspensa até o momento devido a uma liminar”.


O Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) impediu que a Assembleia Legislativa do Estado (ALE) envie um projeto de lei que barra a instalação dos novos medidores de energia à sanção. A decisão é liminar e vale até que o caso seja resolvido em uma ação que já tramita no judiciário.


Veja os vídeos: