“Pensei que ia morrer”, em entrevista jovem relata as ameaças sofridas por Coronel em Motel no DF



TAGUATINGA-DF| Com as mãos feridas, o jovem, de 21 anos, ameaçado por um coronel da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), deu detalhes ao site Metrópoles, sobre os momentos de terror vividos na madrugada do último sábado (09/04), no Motel Fiesta, em Taguatinga Norte. Em sua primeira entrevista em vídeo, o rapaz falou que teme pela vida e pela segurança da família.


Ele lembrou que, após ser abordado pelo policial, precisou adotar medidas para tentar sobreviver à situação. Ameaçado com uma arma, o garoto narrou que foi coagido a comprar e consumir drogas, como cocaína, junto com o militar.


“Incialmente, ele ofereceu uma carona. Depois, passou a dizer que tinha sido agredido e que ia matar a pessoa que fez isso com ele. Logo em seguida, pegou a arma na casa dele, começou a ameaçar e passar a mão na minha virilha. Tentei fugir, pedi ajuda, mas ele estava completamente desequilibrado. Disse que era coronel da PM e que não ia deixar barato. Entendi que, para sobreviver, eu teria que cooperar. Fazer o que ele queria”, disse.



Ainda dentro do carro, o jovem chegou a pedir ajuda para um amigo. Enviou diversos áudios e mensagens contendo, inclusive, o modelo e a placa do carro do policial. “Implorei para que ele ligasse para a polícia. Pedi socorro. Mas, quando seguimos pela rodovia, o coronel dirigiu em alta velocidade. Percorreu muitos quilômetros na contramão. Naquele momento, eu senti que não tinha mais volta. Tive medo de morrer”, desabafou.


Ao chegar ao motel, o garoto explica que aproveitou um descuido do policial, o trancou no quarto, pegou a arma, a chave do carro e tentou sair do local. “Estava sem roupa. Corri, pedi socorro e liguei o carro dele. Tentei fazer com que abrissem o portão, mas não cederam. Temia que o chamassem no quarto. A única opção foi atirar na parede e tentar sair de alguma forma. Foram cerca de quatro disparos”, detalhou.


Com a confusão, uma guarnição da PMDF foi acionada e compareceu ao local. Ambos foram encaminhados à delegacia na mesma viatura. O rapaz foi preso por dano e disparo de arma de fogo. O coronel acabou autuado por estupro.


Os dois conseguiram liberdade provisória após audiência de custódia, realizada na ultima segunda-feira (11/04). A Justiça, contudo, decidiu por medida cautelar diversa da prisão e determinou que o jovem usasse tornozeleira eletrônica.



Em nota, no fim de semana, a PMDF comunicou que “será aberto processo apuratório para esclarecimento das circunstâncias do fato e que a corporação não coaduna com nenhum tipo de desvio de conduta de quaisquer de seus integrantes”.