Partidos correm contra o tempo em busca de Alianças para suas Convenções em Manaus


AMAZONAS| Faltando pouco para o término das Convenções Partidárias que se encerram na próxima sexta-feira (05/08) para as Eleições majoritárias deste ano, os partidos políticos no Amazonas correm contra o tempo para fechar possíveis alianças e não perderem espaço e tempo na TV e no rádio.


O grande mistério era quem seria o indicado à ser o vice na chapa do atual Governador Wilson Lima (União Brasil), após especulações de possíveis nomes como dos ex-secretários municipal: Sabá Reis- Limpeza; Sádhia Fraxe- Saúde; Marcos Rotta; Infraestrutura; e Tadeu Souza- Casa Civil, indicados pelo Prefeito Davi Almeida (Avante); Wilson Lima decidiu apresentar na noite de terça-feira (02/08), o ex- Chefe da Casa Civil, Tadeu Souza, homem de confiança de Almeida.


Para consolidar um acordo selado entre os dois partidos, Wilson abriu mão de escolher e apoiar alguém do Partido Liberal (PL), indicado e apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro da mesma sigla.


Hoje (03/08) pela manhã o clima entre os possíveis indicados ficou 'nublado'. Em entrevista a uma emissora de Rádio local, o vice-prefeito Marcos Rotta, que desde o mês de março teria se desconpatibilizado de sua secretaria para concorrer ao cargo de deputado federal, disse que seu futuro político era retornar para a pasta da Infraestrutura.


Já Sabá Reis que nos bastidores e em eventos pela cidade se apresentava como possível vice de Wilson Lima, publicou um vídeo muito emocionado, afirmando que não vai abandonar o trabalho no Estado, ao final é abraçado por amigos mais próximos.



Nos bastidores comentam-se que se Sabá fosse escolhido, não ia ficar bem ao lado do Governador, pois a oposição ia associá-lo a imagem do filho, envolvido em vários escândalos desde quando assumiu a presidência da Câmara Municipal.


A ex- secretária da Saúde, Sádhia muito discreta, não é vista há meses em eventos abertos, tudo indica que vai trabalhar na reeleição de Abdala Fraxe, apoiador de Wilson na Assembleia Legislativa.


Partido Liberal (PL)- O Partido Liberal (PL), sigla do presidente Bolsonaro e comandada no Amazonas por Alfredo Nascimento, pré-candidato a deputado federal; desistiu de realizar convenção conjunta com o União Brasil na quinta-feira (4/08).



O anúncio foi divulgado pela assessoria do partido no fim da manhã desta quarta-feira (3). O PL, até então, integra o arco de alianças do governador na disputa pela reeleição.


Wilson e Alfredo têm um acordo que envolve o apoio do PL à reeleição do governador em troca do apoio da chapa ao candidato do PL na disputa pelo Senado, Coronel Menezes - amigo de Bolsonaro.


Em contrapartida, o Avante, que indicou o vice de Wilson, também tem interesse em lançar Chico Preto na disputa ao Senado.

Mas, o interesse coloca em risco a possibilidade de ocorrer um racha entre o PL e o UB, pois Alfredo quer garantir que Menezes seja o único candidato ao Senado pela coligação que apoiará Wilson.


Hoje, pela manhã, em entrevista a uma rádio local, Wilson afirmou que cumprirá a palavra e apoiará a candidatura de Menezes ao Senado. Mas, ao mesmo tempo que o governador concedia entrevista, Alfredo se articulava nos bastidores para alterar a data da convenção partidária do PL.


Antes, o PL também faria convenção conjunta com o UB e o Avante no Espaço Via Torres, no bairro Parque Dez de Novembro, amanhã às 18h. Agora, a convenção acontecerá na mesma data, porém de forma individual na sede o partido, no bairro Adrianópolis, zona Centro-Sul. A estratégia do PL é vista no bastidor da política como uma tentativa do partido evitar ser surpreendido na convenção conjunta do União Brasil. Já que o Avante também pode acabar lançando Chico na disputa ao Senado. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) autoriza que coligações partidárias tenham mais de um candidato ao Senado, mas o PL pressiona para que apenas Menezes dispute a vaga.


O prefeito David Almeida já declarou ser contra a candidatura de Menezes ao Senado e disse que, apesar de estar compondo o palanque de Wilson, não fará campanha para Menezes.


Republicanos- O partido Republicanos, comandado no Amazonas pelo deputado federal Silas Câmara, voltou atrás e não realiza mais a convenção conjunta com o União Brasil, do governador Wilson Lima.




O comunicado foi divulgado nesta quarta-feira (3/08). Até ontem era dada como certa a participação do partido na convenção da chapa que concorre à reeleição para o Governo do Amazonas.


Amanhã, às 18h, o União Brasil realiza convenção conjunta com o Avante, de David Almeida, no Espaço Via Torres, no bairro Parque Dez de Novembro, zona Centro-Sul.


Com a mudança, agora o Republicanos fará convenção na sede do partido, no bairro Chapada, zona Centro-Sul, a partir das 9h.


Hoje pela manhã, o governador Wilson Lima disse, em entrevista a uma rádio local, que conta com o apoio do Republicanos no seu arco de alianças na busca pela reeleição.


Mas, agora, com a mudança do local da convenção do Republicanos, esse apoio pode não estar tão certo.


Isso porque na oposição joga o senador Eduardo Braga (MDB), que também disputará a eleição para Governo do Amazonas e não desiste tão fácil de garantir o apoio do Republicanos, partido que tem como uma de suas bases no Estado a Assembleia de Deus.


PSB- O Partido Socialista Brasileiro, no Amazonas, realizará convenção partidária na quinta-feira, 4 de agosto, às 14h, na sede do partido. O evento vai oficializar os candidatos que disputarão as eleições deste ano.


De acordo com o presidente estadual do PSB, Serafim Corrêa, a sigla contará com 25 candidatos a deputado estadual, sendo sete mulheres e dois candidatos a deputado federal. O partido não lançará candidatura ao Senado e nem candidatura ao governo do estado.

Além da escolha dos candidatos aos cargos de deputados federal e estadual, serão definidos os partidos para coligações das eleições majoritárias; definição dos números que os candidatos irão concorrer e outros assuntos de interesse partidário.

O partido tem o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, como candidato a vice na chapa presidencial de Luís Inácio Lula da Silva (PT), e portanto, apoia a candidatura do PT/PSB.