Palmeiras vence o Athletico e conquista Recopa Sul-Americana pela primeira vez



BRASIL| Abel Ferreira conseguiu de novo. Na noite desta quarta-feira (2), graças a gols de falta de Zé Rafael e Danilo, o Palmeiras venceu o Athletico-PR por 2 a 0, no Allianz Parque, e conquistou pela primeira vez o título da Recopa Sul-Americana.

Em uma partida de amplo domínio palmeirense, novamente a equipe sentiu a falta de precisão nas finalizações. O Verdão cria, se movimenta, mas peca na hora de definir as chances.




Diferente do jogo de ida em Curitiba (PR), quando tudo terminou empatado em 2 a 2, desta vez o Verdão contou com um adversário que preferiu pelo menos no começo a se defender.

Menos mal para o Palmeiras, que conseguiu o seu primeiro gol no início do segundo tempo, com Zé Rafael, até então um dos destaques da partida, acertando uma belíssima cobrança de falta no ângulo.


Com o resultado adverso, o Furacão precisou se lançar ao ataque. E aí o Verdão achou o segundo. Danilo aproveitou uma roubada de bola no meio-campo e apareceu no ataque para marcar e definir a vitória.



Com o título inédito em mãos, o Palmeiras volta suas atenções para o Guarani, no próximo domingo (6), contra o Guarani, novamente no Allianz Parque. No mesmo dia, o Athletico encara o Cascavel, fora de casa, pelo Paranaense. Ambas equipes estão na edição deste ano da Copa Libertadores.


O JOGO Em um começo de jogo de muita pressão sobre o adversário, o Palmeiras buscou abrir o placar logo cedo. Aos 10, Raphael Veiga invadiu a área e chutou com força e perigo, mas a zaga desviou para escanteio. Quatro minutos depois, foi a vez de Dudu, que driblou três marcadores, mas ao finalizar o que seria um golaço acabou escorregando.


A pressão do Verdão continuava. Aos 17, Dudu cobrou escanteio e Murilo cabeceou com perigo para fora. Aos 21, o camisa 7 apareceu de novo. Recebeu boa bola em contra-ataque e chutou para fora.


Foram sete finalizações em pouco mais de 20 minutos no jogo para o Verdão, que esbarrava na forte defesa athleticana. Aos poucos, contudo, os paranaenses foram ganhando gosto pela peleja e aparecendo mais à frente.


Aos 33, Khellven tabelou com Terans e arriscou a finalização, que saiu pela linha de fundo. Aos 39 foi a vez de Léo Cittadini. O ídolo Pablo furou no cruzamento rasteiro, mas a bola sobrou livre para o meia, que finalizou de primeira para fora.


Chances esporádicas que não ameaçavam o domínio alviverde no jogo. Aos 43, por exemplo, Danilo achou bom passe e profundidade para Rony, que ganhou de Thiago Heleno na corrida e chutou pela linha de fundo.

ABEL MEXE, MAS É BOLA PARADA QUE DECIDE A famigerada estatística apontava a precariedade das finalizações no primeiro tempo. Nenhuma delas no alvo. Era hora de apostar mais na velocidade para tentar quebrar as linhas defensivas do rival rubro-negro. E Abel Ferreira tentou exatamente isso, colocando Wesley no lugar de Gabriel Veron durante o intervalo.


Não que isso tenha sido determinado, mas foi o pontapé para o gol. Aos 2, Wesley tentou invadir a área e a zaga fez o desarme. No rebote, Zé Rafael acabou sofrendo a falta. Na cobrança, o camisa 8 meteu no ângulo e marcou.


A partir do gol, o Verdão foi pro ataque. Foram diversas chances seguidas, com Dudu, aos 5, e Wesley, aos 9. Mas a que mais arrancou suspiros palestrinos na arena foi a de Rony. Aos 8, o Rústicou acertou uma belíssima bicicleta que obrigou Santos a se esticar para fazer uma bela defesa.


O autor do gol queria mais. Aos 14, Zé Rafael ficou com um rebote dentro da área e chutou. Para fora. No minuto seguinte, sem descanso, o camisa 8 recebeu passe de Wesley e quase marcou após saída errada de Thiago Heleno.


No restante da etapa final, atrás no placar, o Furacão se lançou ao ataque e acabou sofrendo o gol. Aos 42, Atuesta roubou a bola no meio de campo, levou para dentro da área e tocou rasteiro para trás. Danilo bateu colocado e definiu o inédito título para o Palmeiras.