Medidores da Amazonas Energia cobravam o dobro na fatura, revela Ipem


Manaus | A CPI da Amazonas Energia realizou, na última sexta-feira (11), a sua 23ª reunião itinerante, no Alvorada II, zona centro-oeste de Manaus. Durante a sessão, o Instituto de Pesos e Medidas (IPEM/AM), um dos órgãos convidados, revelou que, após fiscalização, os medidores de energia apresentaram o dobro na contagem de consumo elétrico, impactando diretamente no valor da fatura.



Segundo o diretor-presidente do IPEM/AM, Márcio Brito, a população estava correta quando suspeitava da leitura dos medidores. “Fiscalizamos mais de 25 mil medidores de energia elétrica e os consumidores tinham razão, porque os aparelhos estavam marcando errado. Em alguns casos, o valor cobrado estava vindo dobrado”.


O diretor-presidente do IPEM/AM completou ainda que o laudo da Amazonas Energia é unilateral e ilegal. “O laudo da concessionária não tem validade, visto que o oficial é do Ipem. O Ipem é o órgão delegado do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), para realizar a medição e definir se os medidores de energia estão marcando corretamente ou não”, completou Márcio Brito.


A sessão itinerante contou com a participação dos moradores do bairro Alvorada II, dentre eles o senhor Izaquiel Alves, de 59 anos, que revelou ter sua energia cortada após uma cobrança de R$ 80 mil reais, gerada pela Amazonas Energia. De acordo com Izaquiel, a conta alcançou esse valor depois do próprio sofrer um acidente, não conseguindo a renda necessária para pagar a fatura.


“Depois do acidente que comprometeu o movimento das minhas pernas, não consegui trabalho e as contas foram acumulando. Tentei negociar, mas sem sucesso, tendo dessa maneira a energia cortada”, explicou Izaquiel.


O presidente da CPI da Amazonas Energia, deputado estadual Sinésio Campos (PT), afirmou que irá lutar na Assembleia Legislativa para que os consumidores inadimplentes, junto à concessionária, não tenham seus nomes encaminhados ao Serasa.


“Não queremos que as dívidas de energia sejam repassadas aos cartórios, visto que quando há esse repasse, o nome segue para o Serasa. De uma multa pequena, acaba virando algo impagável, pois como o senhor Izaquiel vai pagar uma dívida de R$ 80 mil reais? Será que ele vai para vela ou lamparina?”, disparou o deputado estadual Sinésio Campos.


Sobre o medidor de energia elétrica


O medidor de energia elétrica é um equipamento de medição regulamentado pelo Inmetro, onde o Ipem tem a responsabilidade de fazer a fiscalização, independente do modelo a ser instalado. O Ipem possui um laboratório de energia, onde todos os equipamentos que são retirados pela empresa Amazonas Energia devem ser submetidos para análises ao Ipem.


Ainda de acordo com Márcio Brito, o que vem acontecendo muito, que é abordado todos os dias na CPI da Energia da Aleam, é que a empresa retira os medidores, apresenta um laudo da própria empresa, ou seja, de forma unilateral e já aplica a multa.


“Nós estamos esclarecendo a população para que não aceite esse laudo da própria empresa, e que exija o laudo do Ipem que é um laudo imparcial, esse vai lhe dar a informação verdadeira se o seu medidor está certo ou errado. Se estiver errado a empresa tem todo direito de aplicar as multas”.


Já em relação a esses novos medidores, no dia 21 de janeiro a justiça determinou a paralisação dessas instalações, mas a empresa já tinha feito mais de 11 mil ligações. Por isso, o Ipem iniciou no dia 18 de fevereiro a fiscalização para saber se esses medidores estão marcando corretamente.


Ao todo são 50 padrões devidamente calibrados e instalados pelo Ipem, onde os mesmos serão monitorados no prazo de 21 dias. Após isso, os dados serão comparados com os aparelhos da Amazonas Energia para saber se haverá fraude no equipamento ou se os mesmos estarão medindo corretamente. A fiscalização ocorre nos bairros da Cidade Nova, zona norte; no Parque 10, zona centro-sul; e na comunidade indígena Urucaia, localizada no bairro Cidade Nova, zona norte.