Debate na Band: André Janones e Ricardo Salles batem boca e segurança é chamada


SÃO PAULO| O deputado André Janones (Avante-MG) e o ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles, candidato à Câmara dos Deputados por São Paulo, discutiram e quase trocaram socos na noite deste domingo (28/08), na sala onde ficam os convidados dos presidenciáveis que participam do debate na Band.


Foi preciso a intervenção de assessores e seguranças para afastar os dois, que estavam aos gritos de "miliciano" e "corrupto".

O motivo da briga foi a reação da comitiva que acompanha o presidente e candidato a reeleição, Jair Bolsonaro (PL), em uma de suas falas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A confusão aconteceu logo na primeira pergunta do debate.


Quase às vias de fato: Enquanto Lula respondia à pergunta de Bolsonaro sobre corrupção, o grupo de bolsonaristas vaiava e gritava palavras como "ladrão", encobrindo a fala do concorrente do PT. O deputado e o advogado Marco Aurélio de Carvalho, do grupo Prerrogativas, levantou-se para pedir silêncio ao grupo de Bolsonaro. Ele declarou que podiam vaiar, mas depois que a resposta terminasse.


Na sequência, Janones também levantou e começou a discussão com Salles. A troca de insultos durou mais de um minuto.

Em meio à confusão, membros da comitiva da candidata Soraya Thronike (União Brasil), sentada entre os dois grupos, começaram a gritar que eram "farinha do mesmo saco". A confusão acabou depois de algumas tentativas de assessores e seguranças afastarem os dois envolvidos.


Sem intervalo: A discussão foi retomada durante o primeiro intervalo. O vereador de Belo Horizonte Nikolas Ferreira (PL) foi até o grupo petista filmar Janones, que falava com a imprensa, e a discussão recomeçou.

"Vai chorar, Janones?", provocou Ferreira, filmando com o celular. "Seu vagabundo", respondeu o deputado.

Sérgio Camargo, ex-presidente da Fundação Palmares, também entrou na briga. "Ele é um vagabundo, um vereador falso cristão de Minas", disse Janones à imprensa depois da confusão.


Versão de Salles: O ex-ministro confirmou que o advogado Marco Aurélio pediu a espera da fala do presidente Lula terminar para vaiar. Ele concordou com a postura e disse que se exaltou porque precisou responder a Janones.


"Ele levantou com o celular na mão para filmar. Só queria causar na internet", disse em entrtevista.


Versão de Marco Aurélio: Marco Aurélio, o primeiro a se levantar para pedir silêncio, disse que o que incomodou foram as ofensas e a falta de respeito.

Segundo ele, o grupo lulista tem feito campanha respeitando as diferenças e pediu ao Salles que, se quisesse vaiar, deveria esperar o fim da fala do petista.


"Não quero briga. Quando o Janones se exaltou fui lá retirá-lo porque não queria confusão", disse o advogado, um dos coordenadores jurídicos da campanha de Lula.


Clima de quinta série: A paz no lounge onde os convidados dos candidatos assistiram ao debate durou somente a primeira referência a Bolsonaro. Tebet afirmou que era preciso mudar o presidente. Houve aplausos até mesmo de equipe que não eram da candidata. A primeira intervenção de Bolsonaro gerou ainda mais frisson.


Antes mesmo de ele falar, os apoiadores gritavam "mito". Logo, havia gritos de "assassino" dos adversários. Os apoiadores do presidente responderam a provocação declarando que "assassino é quem rouba milhões da saúde". Grupo mais animado, os bolsonaristas passaram a repetir "ladrão" quando Lula falou pela primeira vez e aplaudem Bolsonaro como se estivessem em estádio de futebol.


Garoto propaganda?

Salles foi a pessoa que mais aplaudiu quando Lula citou "o ministro que passou a boiada", em referência a ele, quando falada de meio ambiente com o candidato Luis Felipe D'Ávila (Novo).


Rindo, ele falou às pessoas próximas: "Acabei de ganhar uns 10 mil votos!". Sem citá-lo nominalmente, Lula fez referência a uma fala de Salles em maio de 2020, então Ministro do Meio Ambiente de Bolsonaro.

Durante uma reunião ministerial, ele foi filmado sugerindo que o governo aproveitasse a crise sanitária causada pelo covid-19 para "passar a boiada".


Veja o vídeo da confusão: