Após tragédia no Ninho do Urubu, Flamengo inaugura capela em homenagem as vítimas



RIO DE JANEIRO| O incêndio no Ninho do Urubu completa exatos três anos nesta terça-feira, dia 8 de fevereiro, e o Flamengo aproveitou a data para, além de lembrar com saudade os dez jovens mortos na tragédia com postagens nas redes sociais, inaugurar a capela ecumênica em homenagem aos Garotos do Ninho. Houve uma missa com a presença de familiares das vítimas, atletas do time profissional e de Paulo Sousa.


O vice-presidente geral e jurídico do Flamengo, Rodrigo Dunshee de Abranches, esteve no local e disse algumas palavras direcionadas aos familiares presentes. Tinham outros dirigentes no local, mas Rodolfo Landim, presidente do clube desde janeiro de 2019, não compareceu ao evento por estar em viagem.


O incêndio no Ninho do Urubu completa três anos nesta terça-feira. E ainda não há condenação de nenhuma das 11 pessoas indiciadas pelo Ministério Público por conta da tragédia ocorrida em um alojamento onde dormiam atletas da base do Flamengo.


O Flamengo fechou acordos com familiares de oito vítimas do Ninho: Arthur Vinicius, Athila Paixão, Bernardo Piseta, Gedson Santos, Jorge Eduardo, Samuel, Pablo Henrique, Vitor Isaías e o pai e mãe (posteriormente) de Rykelmo. Até hoje, resta o acerto com a família de Christian Esmério.



As vítimas do incêndio:

Athila Paixão, de 14 anos Arthur Vinícius de Barros Silva Freitas, 14 anos Bernardo Pisetta, 14 anos Christian Esmério, 15 anos Gedson Santos, 14 anos Jorge Eduardo Santos, 15 anos Pablo Henrique da Silva Matos, 14 anos Rykelmo de Souza Vianna, 16 anos Samuel Thomas Rosa, 15 anos Vitor Isaías, 15 anos